O mantra maligno do “Ame o que você faz, faça o que você ama”

29/05/2014 08:28

Vinicius Siqueira do Colunas Tortas[1]

O novo mantra do trabalho na pós-modernidade[2] é o “ame o que você faz, faça o que você ama”. Devemos amar o que fazemos para não percebermos que estamos trabalhando. Para, no fim das contas, não ser um trabalho, mas um prazer. O trabalho[3], por usa vez, deve ser aquilo que nós amamos – devemos fazer o que amamos e amar o que fazemos, a relação deve ser de duas vias. Entretanto, este mantra não é somente um conselho da pós-modernidade para seus trabalhadores, funciona mais como um imperativo. As informações são do Jacobin Magazine.

Apesar de ser o mantra não-oficial do trabalho na pós-modernidade, este suposto inofensivo lema carrega em si uma função muito mais perigosa. Ele desvaloriza o trabalho, retira seu status e impossibilita que os trabalhadores peçam melhorias em suas condições de trabalho, indo um pouco mais além, ele também desumaniza toda uma categoria de trabalhadores em cargos sem exercício intelectual/criativo.

Steve Jobs

Este mantra, segundo Miya Tokumitsu, direciona o trabalhador para a busca da felicidade individual[4], o fazendo esquecer que, enquanto trabalhador, não está sozinho na sociedade, mas tem responsabilidades de classe com os outros trabalhadores, quer ele goste do trabalho ou não. Este mantra retira o olhar coletivo do trabalho e privilegia unicamente algumas poucas categorias de trabalhadores, já que, quando se repete incessantemente que o trabalho deve ser amado e que se deve trabalhar com o que se ama, o que se diz é que o trabalho não é algo que deve ser feito por uma compensação (como o salário), mas deve ser feito como um “ato de amor-próprio”.

Um dos mártires deste mantra é o mais-que-conhecido Steve Jobs. Em um discurso para a turma de formandos de 2005[5], na Universidade de Stanford, ele diz mais ou menos o seguinte:

“Vocês precisam achar o que vocês amam. E isso é verdade para seu trabalho e para aquiles que você ama. Seu trabalho irá preencher uma grande parte da sua vida e a única maneira de estar plenamente satisfeito é fazendo algo que você acredita ser um bom trabalho. E o único jeito de conseguir trabalhar bem é fazendo o que você ama”.

As palavras “você” e “seu” são repetidas oito vezes, como Tokumitsu atesta. O discurso é inteiramente centrado no “eu”. O indivíduo e sua felicidade que só pode ser alcançada individualmente.

A Apple seria um desses lugares que te fazem amar o trabalho. Seria um desses lugares em que o trabalho amado é valorizado, entretanto, por trás de uma Apple, existe uma montanha de trabalhadores mal-remunerados que com certeza não têm espaço nessa compreensão do trabalho enquanto amor-próprio.

Pior ainda, essa noção do trabalho que precisa ser amado e do trabalhador que precisa amá-lo cria divisões dentro da própria classe trabalhadora, até mesmo a liquefaz, já que elimina a noção do trabalho enquanto produção coletiva e o substitui pela noção do trabalho parte de um projeto individual de felicidade. Os trabalhadores que estão incluídos na categoria que pode “amar” seu trabalhos, são os trabalhadores de colarinho branco, os trabalhadores de escritório e de trabalho criativo. O restante não é incluso neste mantra. Nem podem, afinal, o alcance da felicidade individual só é uma busca de fato para aqueles que podem se adaptar à sociedade de consumo.

Faça o que ama, ame o que faz

Baixa de salários

Há também a questão dos péssimos salários de pesquisadores e as péssimas bolsas nas universidade. Quem são os mais afetados pela ideologia do amor ao trabalho? Justamente aqueles que deveriam fazer seu trabalho como uma vocação por excelência. Os professores universitários, pesquisadores e bolsistas em geral estão cada vez mais próximos da miserabilidade em suas profissões. Professores em geral já vivem nesta lástima. Como um professor pode exigir melhores salários quando o lema de sua profissão é o amor?

Tokumitsu retrata uma estratégia em algumas empresas “cools” em fazer do próprio ambiente de trabalho uma possibilidade de felicidade para o empregado. Ou seja, empresas de publicidade, moda, empresas do momento, empresas “cools”, pagam salários mais baixos pois oferecem um espaço para que o empregado alcance o máximo possível de seu amor pelo trabalho.

As atividades relacionadas com as artes recebem esta pressão, pois a arte não pode, em nenhum circunstância, ser do mercado. A arte precisa ser regida pelas regras da arte. A aproximação do trabalhador que ama seu trabalho com o artista que pertence ao campo da arte é óbvia. Não se deve reclamar dos aspectos econômicos, muitas vezes a pobreza é até mesmo um bom símbolo para aquele que “ama” o que faz.

O sujeito que está dentro do espaço social reclamado pelo mantra do amor ao trabalho é coagido a trabalhar e a amar seu trabalho![6] Além de te que trabalhar, ele precisa gostar do que faz! Nem mesmo a liberdade de se rebelar está disponível.

E nunca mais fará uma greve.

O trabalhado revertido em “amor” acaba com a possibilidade de observá-lo enquanto exploração. O paradigma da funcionalidade complementar não é absorvido pelos funcionários, ou seja, não importa, para eles, se os funcionários e o patrão vivem em uma cooperação, mas o paradigma do antagonismo também não é absorvido, pois eles não acham que o patrão é uma figura oposta. No fundo, o paradigma da felicidade individual anula estes dois para o funcionário e deixa o caminho livre para o paradigma funcionalista por parte das empresas.

Ou seja, o imperativo da felicidade individualiza ao máximo e impossibilita que o engajamento na esfera econômica seja de produtores, mas incita que, no máximo, haja pequenos eventos coletivo de consumo. O trabalho é tido como algo que permite comprar, por que é dele que se ganha o dinheiro – o trabalho deixa de ser o labor para se tornar o amor. Mas só os cosmopolitas das universidades de comunicação, moda, administração e correlatos podem amar seus trabalhos.

Quem precisa do trabalho para pagar contas está fora deste mundo legítimo. O trabalho legítimo passa a ser aquele que você faz por que ama, então não é nem mesmo correto moralmente discutir salários. As greves perdem seu sentido na hora e toda negociação salarial coloca em risco o status de “amante do trabalho” que alguém pode ter. Todos os trabalhadores que estão fora do mundo de trabalho intelectual ficam na marginalidade por que, de fato, é na marginalidade que eles devem ficar para a globalização.

São os funcionários informatizados, criativos, que devem ter um tratamento diferenciado, pois são a superfície feliz e privilegiada do sistema capitalista global. São os satisfeitos. Enquanto isso, todo o mar de trabalhadores explorados até a última gota de suor precisa ser escondido e deslegitimado. A luta trabalhista vira uma luta de “gente que não sabe o que é trabalho”.

Notas

[1] Artigo publicar originalmente no Colunas Tortas em: https://colunastortas.wordpress.com/2014/05/20/o-mantra-maligno-do-ame-o-que-voce-faz-faca-o-que-voce-ama/

[2] https://colunastortas.wordpress.com/2014/05/15/o-que-e-pos-modernidade-resumo-de-uma-falencia-da-modernidade/

[3] https://colunastortas.wordpress.com/2014/02/05/o-que-e-alienacao-em-marx/

[4] https://colunastortas.wordpress.com/2013/08/07/amor-liquido-zygmunt-bauman-uma-resenha/

[5] https://www.youtube.com/watch?v=UF8uR6Z6KLc

[6] http://www.lrb.co.uk/v21/n06/slavoj-zizek/you-may

 

—————

Voltar


Comentários: O mantra maligno do “Ame o que você faz, faça o que você ama”

Nenhum comentário foi encontrado.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!